quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Longanimidade



I - Introdução:

Gl 5:16-23

16 Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne.
17 Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.
18 Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais sob a lei.
19 Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia,
20 idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções,
21 invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam.
22 Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade,
23 mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.


 Reparem que o "fruto" do versículo 22 está no singular, em contraste com as "obras" do versículo 19, que está no plural. O Espírito produz um único fruto, o que significa a unidade das Qualidades Espirituais. Quando realmente andamos pelo Espírito, não iremos ver um pouco, mas todas as partes do fruto do Espírito em nossas vidas. Deus reduz tudo a um denominador comum – o andar pelo Espírito (vv16), o qual produz o fruto. O fruto do Espírito determina o caráter do cristão e cada parte do fruto constitui o padrão que deve ser visto na vida do crente. O fruto do Espírito é extremamente importante. É o indicador de que um homem é salvo (Rm 6:22; Ef 5:9). Se não houver nenhum fruto em sua vida, algo está errado, porque fruto é prova de que Deus está no trabalho, pois o salvo é a habitação do Espírito. Cristo fala que “pelos seus frutos os conhecereis” Mt 7:15-20, se somos Dele, então, devemos apresentar Seus frutos em nossas vidas. Caminhar (VIVER) no Espírito produz frutos.

Já estudamos sobre o amor, alegria e paz, e hoje trataremos de mais uma parte específica do Fruto do Espírito, a LONGANIMIDADE.

Para você o que significa LONGANIMIDADE?

Longanimidade é a capacidade de suportar por muito tempo uma situação desagradável, provocada por alguém, ser TOLERANTE. Na tradução da NVI a palavra que foi traduzida como PACIÊNCIA. O dicionário da Língua Portuguesa afirma que longanimidade é a qualidade de que é longânime. E longânime é aquele que é bondoso, generoso, magnânimo, paciente ou resignado. A palavra longanimidade, traduzida para o português, é formada por duas palavras gregas: “macros” (longo) e “thumos” (temperamento), isto é, ânimo longo. Esta idéia é completamente contrária ao modo de vida “tolerância zero” de muitos hoje. Se o que não possui esta virtude é dito que tem “pavio curto”, então o longânime possui “pavio longo”.

Muitas pessoas nos dias de hoje tem muita facilidade de expressar a falta de longanimidade. São muitas as situações na vida que podem nos causar irritação: A conexão lenta de internet (principalmente na Lan-house onde cada minuto vale dinheiro), a falta de tinta na impressora na hora da impressão de um trabalho que tem que ser entregue daqui a uma hora, a perda de um ônibus, quando já estamos atrasados, andar atrás de uma pessoa que anda bem devagar quase parando quando estamos apressados no centro ou no shopping, entre outras situações.

Veremos exemplos de longanimidade na Palavra de Deus. Primeiramente a longanimidade em Deus e depois na vida crente em Cristo.

II – A LONGAMINIDADE EM DEUS

A longanimidade é um atributo de Deus (Nm 14:18). Deus é longânimo. Antes de levar o pecador ao arrependimento, Deus o suportou muito, usando a longanimidade. Romanos 2:4 nos diz que Deus é paciente, embora haja pessoas que ignora a Sua paciência.

A longanimidade pode ser vista também como misericórdia, pois é por causa dela que não somos consumidos (Lm 3:22-23). A longanimidade Deus está sempre conectada com paciência e misericórdia e deve ser refletida na vida de um cristão. (Ex: Sl 103:8 ; Sl 145:8; Sl 86:15; 2Pe 3.9)

Mas a longanimidade de Deus tem limite para o ímpio, pois Deus exerce a Sua capacidade de suportar ofensas, blasfemas, antes de tirar a vida e destiná-lo ao inferno. (Rm 9.22; 1Pe 3.20)

O grande exemplo de paciência é Cristo. Cristo sendo Deus suportou várias coisas para que o plano de Deus fosse cumprido. Em Timóteo 1:16, Paulo falou de Cristo como exemplo de paciência .O Senhor Jesus suportou Paulo em grande paciência, enquanto Paulo gastou uma parte da sua vida adulta em perseguir cristãos. Mas finalmente Cristo o redimiu para fazê-lo Apóstolo.

II - A LONGAMINIDADE NO CRENTE

Pelo fato de Deus ser longânimo, nós devemos buscar diligentemente exercer a longanimidade, pois ela na vida do crente:

1. É sinal de sabedoria ( Pv 14.29 ); A paciência produz sabedoria, como diz Tiago: justiça de Deus (Tg 1:19-20)
2. Ele será chamado de apaziguador ( Pv 15. 18 )
3. Ele será precioso ( Pv 16.32 ). Salomão disse isso em uma época em que os heróis eram admirados, imagine só é melhor ser longânimo do que ser um herói.
4. É um dos alicerces da comunhão (Ef 4:2-3 ;Cl 3.12-13). Paulo rogava, apelava para que os irmãos suportassem uns aos outros. Quando vemos uma igreja pacífica e saudável durante muito tempo, pode ter certeza de que a longanimidade está sendo aplicada. E o contrário: veneno para uma igreja é a incapacidade dos irmãos de suportarem agressões uns dos outros
A igreja nos proporciona várias situações para exercer a longanimidade, pois:
• Há pecadores
• Há diferentes opiniões
• Há personalidades distintas
Uma característica essencial do espírito cristão é a capacidade de suportar a fraqueza dos outros com longanimidade, que tem por finalidade manter a UNIDADE DO CORPO DE CRISTO.
5. É sinal de Amor (I Co 13: 4,8) Umas das características do amor é ser paciente.
6. É sinal de Perdão (Mt 18: 21-22 ; 23-35) O perdão está muito ligado em manter a união.

Se exercitarmos a longanimidade nas pequenas situações e nas pequenas irritações diárias, sabendo que Deus está no controle de tudo, estaremos preparados para resistir grandes batalhas.

III – Conclusão

Devemos sempre agradecer em nossas orações a longanimidade que Deus teve e tem com a gente. Vimos que o nosso Deus é um Deus longânimo e que devemos nos esforçar em praticar a longanimidade, pois ela é fundamental para: ter um bom relacionamento entre os irmãos, praticar o amor, o perdão.

Que possamos, irmãos, andar sempre no Espírito, para que o Seu fruto seja visto em nossas vidas.


Servindo com Alegria,
Henrique Prudêncio.


0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário.

  ©Template by Dicas Blogger.