sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Música




Música


Ora, por que escrevemos sobre “Música”? Por que não usamos uma terminologia mais santificada e o chamamos de “adoração”? Afinal de contas, é comum hoje falarmos em música, cânticos e adoração como palavras intercambiáveis. Primeiramente, adoramos. Depois, ouvimos o sermão.

Queremos desafiar essa suposição. A música no contexto do ajuntamento da igreja é somente um subconjunto da adoração corporativa. Ouvir a pregação da Palavra de Deus é uma das maneiras mais importantes de adorarmos juntos a Deus. De fato, é a única maneira pela qual podemos aprender como adorá-Lo de modo aceitável.1 Orar a Palavra de Deus, ouvi-la em público e vê-la nas ordenanças também são aspectos importantes da adoração. Contudo, falando de modo mais amplo, a adoração é uma vida completamente orientada no sentido de envolver-se com Deus, nos termos que Ele propõe e das maneiras que Ele provê.2 Nosso culto racional, a adoração exposta no Novo Testamento, consiste em oferecer a Deus todo o nosso ser como sacrifício vivo, santo e agradável a Ele (Rm 12.1-2; cf. também 1Co 10.31; Cl 3.17). Portanto, a música é um subconjunto da adoração que envolve toda a nossa vida.


Esta reflexão nos lembra que nossa audiência, na adoração corporativa, não são as pessoas. A adoração corporativa não consiste em agradar as pessoas, quer a nós mesmos, quer a congregação, quer os incrédulos interessados. A adoração no ajuntamento coletivo é uma renovação de nossa aliança com Deus, por nos encontrarmos e nos relacionarmos com Ele nos termos que Ele prescreveu.4 Fazemos isso de modo específico ao ouvirmos a sua Palavra e atentarmos a ela, confessando nossa pecaminosidade e dependência dEle, agradecendo-Lhe por sua bondade para conosco, apresentando-Lhe nossos pedidos, confessando a sua verdade e erguendo-Lhe nossa voz e instrumentos em resposta e de acordo com a maneira como Ele se revela em sua Palavra.5



Com esse pano de fundo, eis algumas sugestões práticas que podem nos ajudar a glorificar a Deus e edificar uns aos outros no que concerne à música na adoração corporativa.

O canto congregacional

Cantar o evangelho juntos, como uma igreja integrada, forja a unidade em torno da doutrina e prática distintivamente cristãs. Nossas canções congregacionais funcionam como credos devocionais. Elas nos dão linguagem e oportunidade de encorajar uns aos outros na Palavra e convocar uns aos outros a louvar nosso único Salvador. Uma das funções mais importantes do canto congregacional é que ele ressalta a natureza corporativa da igreja e do ministério mútuo que nos edifica na unidade. Uma das razões por que nos reunimos todas as semanas é nos recordarmos que não estamos sozinhos em nossa confissão de Jesus Cristo e nossa convicção das verdades espirituais que sustentamos com tanta apreciação.



Que bênção é ouvir todos os membros da igreja cantando juntos, com todo o seu coração. Quando ouvimos os outros cantando as mesmas palavras, todos juntos, tanto há uma melodia comum como uma harmonia diversa que expressa a unidade e a diversidade do corpo da igreja local, de um modo que nos estimula a prosseguirmos juntos. Em nossa cultura excessivamente egoísta, o canto congregacional é um dos meios mais visíveis que estimulam uma ênfase especificamente corporativa em nossa adoração e vida como igreja local.

Outra função importante do canto congregacional é que ele ressalta a natureza participativa da adoração por meio da música. De um modo geral, a adoração é algo que não podemos fazer como espectadores. Romanos 12.1-2 retrata a adoração como algo ativo. Também é interessante observar que não temos nenhum exemplo de coros de igreja no Novo Testamento — a Bíblia nunca apresenta os crentes do Novo Testamento realizando uma adoração musical em que alguns crentes representavam os demais, por meio do canto realizado por uma pessoa ou um grupo. Pelo contrário, a adoração por meio da música é participativa — toda a igreja participa corporativamente da adoração a Deus, com um só coração e voz.

A Bíblia certamente nos convida a ouvir a Palavra de Deus e a responder-lhe. Mas esse tipo de ouvir é uma resposta específica a um método de comunicação ordenado por Deus — a pregação. No que diz respeito à adoração na forma de música, a Bíblia nos mostra os crentes se envolvendo, eles mesmos, em adoração — todos juntos. Isto não significa que solos e músicas especiais são necessariamente errados. Também não estamos negando que solos e músicas especiais podem comover espiritualmente aqueles que os ouvem. A questão é que tipo de adoração musical corporativa é apresentada como modelo no Novo Testamento e o que afirmamos sobre a adoração musical coletiva, se muitas de nossas canções são tocadas e cantadas por poucos, e não são todos que participam delas.

Uma dieta regular de apresentações de solistas e coros pode até causar o efeito involuntário de prejudicar a natureza participativa e corporativa de nossa música. As pessoas podem vir, gradualmente, a pensar na adoração em termos de observação passiva; e esse não é um modelo apresentado no Novo Testamento. Essa dieta pode também começar a obscurecer a linha de separação entre adoração e entretenimento, especialmente numa cultura encharcada por televisão como a nossa, na qual uma das mais insidiosas expectativas é ser entretido. É claro que esse obscurecimento não é algo proposital. Mas, no decorrer do tempo, o separar os “músicos, solistas ou coristas” do restante da congregação pode mudar sutilmente o foco de nossa atenção, de Deus para os músicos e seus talentos. E essa mudança é revelada por meio do aplaudir no final de uma apresentação. Quem é o beneficiário dos aplausos?

Se o que fazemos aos domingos de manhã é o culto público, então faz todo sentido que devemos ter preferência deliberada pelo canto congregacional — o canto que envolve a participação ativa de toda a congregação.

Quando cantamos juntos louvores a Deus, estamos reconhecendo a natureza corporativa da vida confessional da igreja. Ou seja, estamos afirmando corporativamente que confessamos a doutrina cristã e experimentamos a vida cristã junto com a nossa comunidade da aliança. Portanto, o canto congregacional é aplicável tanto ao aspecto corporativo como ao participativo de nossa adoração coletiva regular. Ele nos mantém afastados da armadilha do entretenimento por envolver todo os cristãos no louvor ativo a Deus, respondendo vocalmente à sua bondade e graça, com louvor e ação de graças audíveis.

Bem, agora que sugerimos o canto congregacional como uma implicação da adoração corporativa na forma de música, seria proveitoso recordar três diretrizes para o canto congregacional.

Público, e não privativo.

Muitos líderes de louvor encorajam os membros (por palavras ou por atos) a fecharem os olhos em busca de uma intimidade emocional com Deus, no contexto da reunião corporativa. Ora, ninguém que tenha bom senso argumentaria que fechar os olhos durante a adoração corporativa é errado. E muitos fecham os olhos durante a adoração corporativa apenas para assimilar mais plenamente o som da canção. Mas estamos errados ao encorajar as pessoas a pensarem na adoração corporativa em termos de nos fecharmos para o restante da igreja e desfrutarmos de uma experiência emocional privativa com Deus.

Participei de um culto em que o líder de louvor começou a chorar de modo incontrolável na plataforma, depois de liderar uma canção. Isso foi um exemplo saudável de quebrantamento? Talvez. Não tenho dúvida de que ele tencionava que fosse. Não estamos questionando a pureza de seu coração, e sim a sabedoria de seu comportamento público. Por meio de seu exemplo, ele estava ensinando às pessoas que a experiência emocional privativa, embora realizada em frente de toda a igreja, é a expressão final da adoração (corporativa). Isso não é verdade, de modo nenhum!

O canto congregacional é uma expressão de unidade e harmonia da congregação reunida. Tornar privativa a adoração corporativa destrói este o propósito desta e confunde a verdadeira adoração com a emoção particular. A reunião de adoração coletiva é pública; devemos experimentá-la cientes de que somos um corpo. Muito do poder de edificação do canto congregacional procede realmente de desfrutarmos a presença de nossos irmãos adoradores. Se isso não fosse verdade, por que outra razão nos ajuntaríamos? Logo, é melhor não tornarmos privativo aquilo que Deus determinou que seria público.

Deve ser teologicamente rico.

Em sua Palavra, Deus nos deu tantas coisas sobre as quais devemos nos sentir encorajados! Devemos usar o rico estoque das Escrituras para nos dar boas palavras para falarmos em nosso louvor a Deus, para recordar-nos as perfeições de seu caráter e a suficiência da obra de Cristo. Queremos cantar canções que elevem nosso ponto vista sobre Deus, que O apresentem em toda a sua graça e glória. Queremos entoar canções repletas de teologia que nos façam pensar sobre as profundezas do caráter de Deus, as nuanças de sua graça e as implicações de seu evangelho; que nos ensinam a doutrina bíblica que salva e transforma. No aspecto negativo, queremos evitar canções que nos estimulam a pensar sobre a nossa própria experiência emocional subjetiva, mais do que sobre as verdades objetivas do caráter de Deus e as implicações da cruz. Também queremos evitar repetições desnecessárias de frases proferidas à semelhança de mantras, como se o procurar um ápice emocional fosse a mais pura forma de adoração.


Observe a seguinte letra:


Quem é Este, na manjedoura,
A cujos pés os pastores caem?
Quem é Este, em profunda aflição,
Está jejuando no deserto?


É o Senhor! Maravilhosa história!
É o Senhor! O Rei da glória!
Humildes, a seus pés nos curvamos,
Corai-O! Coroai-O, Senhor de todos!


Quem é Este que pessoas bendizem
Por suas palavras de amabilidade?
Quem é Este ao qual são trazidos
Todos os enfermos e entristecidos?


Quem é Este que está de pé e chora
Ante o sepulcro onde Lázaro dorme?
Quem é Este que a multidão reunida
Saúda com canto vibrante e triunfal?


Oh! À meia-noite, quem é Este
Que ora no escuro Getsêmani?
Quem é Este que naquela cruz
Morre em aflição e agonia?


Quem é Este que do sepulcro
Vem para curar, ajudar e salvar?
Quem é Este que de seu trono
Governa sozinho todo o mundo?


Este hino inclui referência somente a uma Pessoa. Mas, no coro há uma referência ao plural (nos curvamos); e isso diz respeito a nossa adoração a Deus, reconhecendo o seu caráter como Rei.8 Todo o hino se centraliza em Deus, na pessoa de Cristo. E deve ser observado o senso de movimento e progresso — a letra nos leva da manjedoura ao trono de Cristo. É uma história musical e meditativa sobre a vida de Cristo, uma história que nos inspira a adorá-Lo como Ele é apresentado na Bíblia. E a música é meditativa, complementando a natureza reverente da letra. Esses são os sinais característicos de boas canções de adoração, sejam hinos, sejam cânticos: exatidão bíblica, centralidade em Deus, progressão histórica e/ou teológica, ausência de pronomes na primeira pessoa do singular e música que complementa o tom da letra.



Deve ser espiritualmente encorajador.

O resultado da riqueza teológica sempre será exatidão crescente na adoração a Deus, conforme Ele realmente é; essa exatidão, por sua vez, resultará em contínuo encorajamento espiritual para nós. Nossa esperança está no caráter de Deus e na verdade de seu evangelho! Na adoração musical corporativa, somos chamados a ensinar uns aos outros a louvar a Deus por seu glorioso caráter e suas obras. Estamos expressando de modo audível a unidade e a harmonia da igreja, bem como a natureza corporativa da vida cristã confessional.9 Estamos encorajando uns aos outros, por meio do vigor de nossa voz, afirmando que não estamos sozinhos em nossa confissão e que todos os outros que cantam estão afirmando a verdade e a importância das palavras cantadas. Quanto mais pessoas houver, melhor será! Esse tipo de canto congregacional é um encorajamento para a nossa alma, recordando-nos a comunhão e a unidade nas verdades que cantamos. O que desejamos estimular nos outros é uma prioridade e uma ênfase concernentes ao canto congregacional, tanto em unidade como em harmonia, de modo que Deus seja honrado por nossa participação ativa e corporativa na adoração musical, e nós ouçamos uns aos outros, e sejamos edificados.


Mark Dever.


Mark Dever é pastor da Igreja Batista de Capitol Hill, no distrito de Washington; fundador do ministério 9Marcas e um dos organizadores do ministério Juntos Pelo Evangelho; conferencista internacional e autor de vários livros, incluindo os livros “Nove Marcas de Uma Igreja Saudável”,”Refletindo a Glória de Deus” e “Deliberadamente Igreja”, todos publicados em português pela Editora FIEL.









0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário.

  ©Template by Dicas Blogger.